noticia01
Grupo hipnotiza vacas com música da cantora Lorde
21 de setembro de 2015
video1
Belo – Alexandre Pires – Thiaguinho – Completo
21 de setembro de 2015

Mesmo com show eclético, Alice Caymmi mostra personalidade em estreia

noticia02

O sol resolveu dar um descanso no terceiro dia do Rock in Rio 2015 e uma camada grossa de nuvens arrefeceu o clima, sem deixar saudades do calorão dos dois primeiros dias. O Palco Sunset, no entanto, começou a programação de shows do domingo com um encontro incendiário entre Alice Caymmi e o arranjador e produtor Eumir Deodato.

A neta do velho Dorival é dona de um dos discos mais interessantes da safra de artistas brasileiros, “Rainha dos Raios”, lançado no final de 2014. Entre a tradicional música nacional, um pé na vanguarda e outro na pista de dança, ela se consagrou como uma intérprete intensa e provocadora, emulando as clássicas cantoras do rádio e as divas da dance music. E foi com seu repertório ímpar que começou sua apresentação, que teve um clássico do rock (“Paint it Black” dos Rolling Stones), uma música emblemática de Caetano Veloso (“Homem”), um pout-porri de dance music (que passou por “Joga Fora” de Sandra de Sá e “I Feel Love” de Donna Summer) e sua já célebre versão para “Princesa”, do funkeiro carioca MC Marcinho.

Preparando território para receber o maestro Eumir Deodato, arranjador de discos fundamentais de Tom Jobim e Milton Nascimento, o palco já contava com um time de cordas que dava um tom classudo à apresentação. Alice deitava e rolava nessa formação, que ainda contava com o produtor Leo Justi se revezando entre programações eletrônicas, baixo elétrico e guitarra, e aos poucos conquistava o público, que lentamente se aglomerava no palco secundário.

Quando Eumir Deodato foi recebido no palco, ele assumiu os teclados elétricos e tocou “Meu Recado”, do repertório de Alice, antes de partir para composições conhecidas por seus arranjos arrebatadores: o tema clássico do filme “2001 – Uma Odisseia no Espaço” (“Also Spracht Zarathustra”, de Richard Strauss), o standard de jazz “Summertime” de George Gershwin e uma versão incendiária para “Black Dog”, do Led Zeppelin, coroando a apresentação com uma música perfeita para encerrar um show que por mais que parecesse estranho ao elenco deste domingo, já pode ser considerado um dos grandes momentos do festival

COMENTE PELO SITE OU PELAS REDES SOCIAIS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>